Veganismo: verdades e mitos

O veganismo foi criado em 1944 e de lá para cá tem conquistado cada vez mais adeptos por todo o mundo. Conheça as verdades e mitos.


veganismo

O vegan só come alface. A alimentação vegan não tem proteínas. As crianças não podem ser vegans. Os vegans não conseguem ganhar massa muscular.

Estas cinco frases expressam outros tantos mitos normalmente associados a quem segue uma dieta vegan e dizemos vegan porque, outro mito, veganismo e vegetarianismo não são a mesma coisa.

Apesar de os vegetarianos não consumirem carne nem peixe, consomem outros produtos de origem animal, como ovos, mel e lacticínios. Já os vegans não usam qualquer produto de origem animal, não só na comida, como também roupa, medicamentos, calçado, etc.

Mais do que um estilo de vida que coloca em plano de igualdade todos os seres, humanos ou não, o veganismo assume-se como uma verdadeira filosofia de vida que renega o antropocentrismo.

O veganismo foi criado em 1944 e de lá para cá tem conquistado cada vez mais adeptos por todo o mundo. Apesar da sua maior difusão, mitos como aqueles que iniciamos este artigo continuam a subsistir. Aguce o espírito crítico e parta connosco nesta tarefa de distinguir o que é verdade daquilo que é mito sobre o veganismo.

Verdades e Mitos

Verdades

  • O veganismo é uma filosofia de vida

A dieta vegana é apenas um dos pontos de se ser vegan. O veganismo vai muito além da comida que se ingere. As preocupações ambientais e a defesa dos direitos dos animais são pontos-chave desta corrente de pensamento e ação.

  • A alimentação vegan é 100% vegetal

Na dieta vegana só entram produtos de origem vegetal. Frutas, legumes, sementes, algas, cereais e cogumelos, são alguns dos exemplos dos alimentos que chegam à mesa de um vegan.

Em contraponto, todos os alimentos de origem animal ou derivados de animais estão fora.

  • Vestuário, calçado, acessórios, cosméticos, produtos de higiene, maquilhagem e limpeza de origem animal não entram em casa de um vegan

Como referimos anteriormente, adoptar uma filosofia vegan implica não só rejeitar um produto de origem animal, como se opor à exploração dos animais para o fabrico de roupa, calçado, cosméticos ou outro tipo de produto de higiene e limpeza.

Não se preocupem, já existem alternativas 100% vegan como o algodão orgânico, o cânhamo, a cortiça, fibra de coco, microfibras biodegradáveis, pneus reciclados, borracha 100% natural, linho orgânico e couro de abacaxi que desempenham o mesmo papel dos produtos de origem animal.

  • Um vegan não vai a touradas, circos, oceanários ou zoológicos

Os direitos dos animais são o pilar fundamental do veganismo. Nesta filosofia, o homem deixa de estar no centro da vida natural (antropocentrismo), pois o vegan entende que todos os seres vivos, humanos ou não, têm o mesmo direito à vida e merecem ser tratados com o mesmo respeito.

Isto inclui não atender a espetáculos de entretenimento ou visitar locais que mantêm aprisionados animais para o deleite do visitante humano.

Mitos

  • Os vegan só comem alface

Esta é fácil de desmontar. Como já vimos antes, a dieta vegan é rica em vegetais, leguminosas, frutas e sementes. Aliás, o equilíbrio encontrado na dieta vegan leva a que os vegans consigam ter menos quantidade de colesterol no organismo e menos chances de desenvolver leucemia.

  • A dieta vegan não tem proteínas

Não existem apenas proteínas de origem animal. Em produtos como feijões, grão-de-bico, cogumelos, brócolos ou soja, encontram-se proteínas vegetais. Isto desmonta ainda um outro mito: a de que os vegan não conseguem ganhar massa muscular.

  •  A alimentação vegan é pobre em cálcio

O leite de vaca é, por excelência, uma fonte extremamente rica em cálcio, mas não é a única. Os vegan encontram alternativas ao cálcio de fonte animal nos leites de arroz, amêndoa, coco, cânhamo ou soja.

Brócolos, couve, quiabo, sementes e cereais variados ajudam a completar as necessidades de cálcio diárias de um vegan.

  • As crianças não podem ser vegans

Desde que a alimentação seja muito bem planeada e acompanhada por um nutricionista, não há razão para que as crianças não possam ser vegans.

  • Os vegan ficam doentes mais vezes

Nem por isso. Como adoptam uma dieta alimentar equilibrada e saudável, a tendência é exatamente a inversa.

  • A dieta vegan é boa para perder peso

Seguir uma dieta vegan não significa necessariamente o consumo de um baixo teor de gorduras. Nela podemos encontrar alimentos fritos, bolos com açúcar, etc.

  • A dieta vegan é cara

Há umas décadas, esta afirmação talvez tivesse o seu quê de verdade, mas hoje em dia a panóplia de alimentos é variada e os preços são mais em conta. Além disso, há alimentos de uso generalizado como o feijão, o arroz, o milho, os legumes ou as sementes que são extremamente acessíveis a bolso de qualquer um de nós.


Like it? Share with your friends!